Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blogtailors - o blogue da edição

Acordo ortográfico em discussão

31.01.08
Esta noite vale tudo menos utilizar o Padre António Vieira.
Não é necessário fato de gala nem jaqueta tradicional; os espanhóis estão proibidos de entrar mas os galegos não, desde que não opinem.

Enfim, entre 20 anos de desacordo e antes de alguns mais até à entrada em vigor existirão algumas horas divididas entre Alcácer-Quibir (ou será Alcácer Quibir) e outros fa(c)tos de relevo.

Uma coisa é certa, não é por faltar acordo ao acordo ortográfico que esta noite as pessoas não se entenderão.

Não perca, esta noite, às 21:30: A Língua em Desassossego, na Casa Fernando Pessoa.

Gonçalo M. Tavares em Orgia

31.01.08
Pronto... o título pode induzir em erro, mas com sorte conseguimos mais de 5.000 visitas hoje.

Falando a sério, o blogtailors não está a mentir: Gonçalo M. Tavares participou, de facto, no Orgia Literária, dando uma entrevista que pode ser lida no link anterior.

O Orgia Literária fala de livros de ficção do ponto de vista autoral: os livros a quem os escreve, é a sua assinatura.
O espaço já existe desde 2006, está muito bem organizado e tem um grafismo leve e bastante atrativo. Mas se querem lá ir, que não seja só para passear, o Orgia tem entradas que requerem o seu tempo e lá podemos encontrar críticas, entrevistas e artigos de livros portugueses e estrangeiros, actuais ou nem tanto.
Um projecto de divulgação muito interessante que conta com uma bolsa de colaboradores bastante alargada (10 membros).

O auto-pirata Coelho

31.01.08
id="BLOGGER_PHOTO_ID_5161571269269471090" />
Goste-se ou não da escrita de Paulo Coelho, a verdade é que o Paulo Coelho estratega é mais um profissional de primeira linha.

Com uma plataforma extraordinária junto do seu público final, Paulo Coelho tem capacidade de activar legiões de fãs de forma quase instantânea, através da rede Internet e da Web 2.0.
Para se entender melhor o fenómeno Paulo Coelho observemos o The Pirate Coelho, onde o próprio autor pirateia capítulos dos seus próprios livros e coloca-os a circular pela Internet fazendo-se passar por um fã.
A confissão veio do próprio, onde afirmou que ao invés de destruir as obras, fazia com que as mesmas vendessem tremendamente mais. E a explicação é simples, os sociólogos e os economistas da cultura já o sabem: o livro é um bem de experiência.
Ou seja, só sabemos se gostamos depois de o experimentar e só experimentando é que sabemos se queremos comprar.

Entendamos isto então como uma sala de leitura Fnac, ou um test-drive onde somente os livros de Paulo Coelho estão disponíveis.

Via Guardian.

Book it (Livros em desassossego)

31.01.08
Hoje, na Casa Fernando Pessoa, a partir das 21h, a habitual sessão de Livros em Desassossego, conduzida por Carlos Vaz Marques.

O tema de hoje é o acordo ortográfico e a sessão contará com a participação de Malaca Casteleiro (membro da Academia de Ciências de Lisboa), Vasco Graça Moura (escritor e eurodeputado), José Eduardo Agualusa (escritor) e Ivo Castro (linguista).

O editor convidado é Nelson de Matos que, como habitualmente, «falará de três títulos editados recentemente que gostaria de ter no seu catálogo».

Será a novela o género mais adequado aos nossos dias?

31.01.08
Será a novela o género literário que mais se adequa aos nossos dias (não obstante a preferência dos editores continuar a ir para as obras de maior fôlego)?

Readable in a couple of hours, a novella demands far less time than a full-length novel: you can get through them in the same amount of time it takes to watch a film or two reality television programmes. If you read one in bed you can actually finish it in one go, as opposed to reading the same few chapters repeatedly because you keep forgetting what you covered the night before.

Para ler aqui, no theblogbooks, do The Guardian (Can the novella save literature?, por Jean Hannah Edelstein)

Feira do Livro do Porto nos Aliados

30.01.08
Ainda não é de vez, é provisório, melhor: não está ainda definitivamente tomada a decisão, segundo nos diz Jorge Marmelo, no Público/Porto.

Este ano a Feira do Livro do Porto será na Avenida dos Aliados (após já a termos conhecido na Rotunda da Boavista e no Parque de Cristal/Pavilhão Rosa Mota, pelo menos).
Outra novidade é que o seu início será antecipado (de 20 de Maio a 7 de Junho, provavelmente), para não coincidir com o Campeonato Europeu de Futebol.

O certame tem já 78 anos e ainda não mora em casa própria, regressando ao local que o viu nascer, em 1931.

Igualmente, é referido que não serão montadas as tendas, nem feitos novos expositores, sendo que da chuva haverá resguardo através de contentores, sendo igualmente que ainda não foi tomada nenhuma decisão em relação à construção de novas estruturas. Mais referem que o valor cobrado aos editores/por stand se manterá igual.

Com sorte o Guarani passará a ser o novo café literário, e a Culturgest/Porto a sala de exposições.

Apresentação dos Resultados Preliminares do Inquérito ao Sector do Livro

30.01.08
id="BLOGGER_PHOTO_ID_5161301257560473426" />
Já está disponível a apresentação digital utilizada por José Soares Neves na apresentação dos Resultados Preliminares do Inquérito ao Sector do Livro.

Trata-se de uma PDF com 44 páginas (e somente 90kb) disponível para visualização e download neste endereço: http://www.oac.pt/menuobservatorio.htm, entrando na link «Novidades!».

Endereçamos também o nosso agradecimento a Jorge Santos, um dos co-responsáveis do Estudo, pelo apoio dado na sua divulgação.

Prémio Daniel Faria para José Luis Peixoto

30.01.08
Em primeiríssima mão, anunciamos: José Luis Peixoto é o vencedor da edição 2008 do Prémio Daniel Faria com a obra “Gaveta de papéis”.

É de enaltecer a atitude deste autor. Uma vez que este prémio não tem qualquer retribuição monetária (o prémio consiste na edição da obra pelas Quasi Edições – e José Luis Peixoto é um autor Quasi para a poesia), José Luis Peixoto opta por participar no concurso, tendo apenas como horizonte ficar associado ao Prémio.
O juri do prémio teve como composição Francisco José Viegas, Jorge Reis-Sá, Tito Couto e Vera Vouga.

A edição da obra, pelas Quasi Edições, está prevista para Março de 2008.

A foto é retirada do site do autor.

Pág. 1/15