Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogtailors - o blogue da edição

Prémio José Saramago

26.10.07
valter hugo mãe, escritor e autor do blogue Casa de Osso, acaba de ganhar o Prémio José Saramago que visa distinguir autores com menos de 35 anos, com a obra «O Remorso de Baltazar Serapião», publicado pela Quidnovi.

Desde já damos os parabéns ao valter, mas ficamos com uma dúvida: não tens 36 anos?





Biografia do autor (texto e fotografia cedidos pela editora):

Nasceu em 1971, na cidade angolana de Saurimo.
Passou a infância em Paços de Ferreira e vive em Vila do Conde.
Licenciou-se em Direito e é pós-graduado em Literatura Portuguesa Moderna e Contemporânea.


Publicou nove livros de poesia, entre os quais três minutos antes de a maré encher, a cobrição das filhas, útero, o resto da minha alegria, livro de maldições e pornografia erudita. Recebeu o Prémio de Poesia Almeida Garrett da Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto com o livro egon schiele, auto-retrato de dupla encarnação. Para além da escrita, estende ainda a sua actividade artística às artes plásticas.


Foi fundador e co-responsável pelas Quasi Edições, até 2004.


A obra (texto cedido pela editora):

Numa Idade Média brutal e miserável, Baltazar casa com a mulher dos seus sonhos e, tal como o pai fizera antes com a mãe e com a vaca Sarga, fêmeas irmanadas em condição e estatuto familiar, leva muito a sério a administração da sua educação. Mas o senhor feudal, pondo os olhos sobre a jovem esposa, não desiste de exercer sobre ela os seus direitos. Entregue aos desmandos do poder e do destino, Baltazar será forçado a seguir por caminhos que o levarão ao encontro da bruxaria, da possessão e do remorso.


Com um notável trabalho de linguagem que recria poeticamente a língua arcaica e rude do povo, o remorso de baltazar serapião, de valter hugo mãe — autor, entre outros, de o nosso reino, seleccionado pelo Diário de Notícias como um dos melhores romances portugueses de 2004 — é uma tenebrosa metáfora da violência doméstica e do poder sinistro do amor.