Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogtailors - o blogue da edição

Correio da Manhã - 30 anos

19.03.09
Octávio Ribeiro, director do Correio da Manhã, avança hoje que algumas das secções do jornal passarão a ser redigidas segundo o novo acordo e comenta ainda sondagem publicada hoje no jornal na qual se procurava recolher a sensibilidade dos portugueses para as mudanças ortográficas:


«Caro Leitor, o CM celebra hoje 30 anos de existência. Entre os vários acontecimentos com que marcamos a data, decidimos integrar uma consulta aos portugueses sobre a forma como avaliam a entrada em vigor das regras do novo Acordo Ortográfico.

A maioria dos inquiridos está contra. Entretanto, as nossas crianças do ensino básico ainda estão a aprender a ler segundo a regras actuais. As que continuamos a seguir no CM. E continuaremos até que os nossos leitores estejam identificados com a nova ortografia. Não aceitamos que alguma decisão política corte ou enfraqueça o nosso elo de comunicação com o Leitor.

Mas, por outro lado, nada nos move contra adaptações na Língua, principalmente se esta evolução aproximar ainda mais os povos que falam português. Por isso, o CM não empunhará a bandeira do imobilismo conservador, que sempre luta contra a evolução, mesmo da Língua. Mas ninguém conte com o CM para ser um acéfalo e disciplinado cumpridor de decretos que imponham ‘ruído’ na comunicação com o Leitor.

O Acordo Ortográfico pode ser um instrumento positivo para a simplificação do contacto entre portugueses e brasileiros, angolanos, moçambicanos, timorenses, são-tomenses e cabo-verdianos. A este ‘mundo em português’, o CM há muito dá o destaque que exigem a proximidade da Língua, da História e dos afectos. Nos próximos dias, alguns dos espaços de crónica do nosso jornal e das revistas do CM passam a ser escritos de acordo com as novas regras ortográficas. Estes espaços estarão devidamente assinalados.

A nova ortografia só se estenderá a todos os textos do jornal, respectiva primeira página e manchete, caro Leitor, quando já ninguém estranhar a palavra "facto" escrita sem cê».