Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogtailors - o blogue da edição

Luta de ‘gadgets’: Kindle 2 contra Sony Reader, por Lúcia Crespo (Jornal de Negócios de 04.05.2009)

11.05.09

«Anda aí uma disputa pelo controlo do mercado dos “eBooks readers”. A batalha está a ser protagonizada pelo Kindle 2, da Amazon.com, lançado em Fevereiro deste ano, em troca de 359 dólares (270 euros), e pelo Sony Digital Reader PRS-700, o novo modelo da empresa nipónica, lançado em Outubro de 2008, com um custo de 400 dólares (300 euros).

Se até agora os dispositivos mono função, com telas de papel digital – “epapers” – dedicados exclusivamente à leitura, não encontraram grande adesão, o Kindle 2 parece estar a dar fôlego à Amazon que, no primeiro trimestre do ano, teve um lucro de 133,5 milhões de euros, uma subida de 24% face a igual período de 2008.

Embora a Amazon não tenha divulgado números mais recentes das vendas do seu “e-Book reader”, o J.P.Morgan estima que tenham sido vendidas mais de 500 mil unidades Kindle, gerando uma receita de 72,6 milhões de euros.

O Kindle 2 é 25% mais fino que um iPhone, com uma espessura comparável a um lápis, pesa 280 gramas, tem um monitor de seis polegadas, um armazenamento 2 GB, o que permite armazenar 1500 livros. A tela do “reader” usa uma tecnologia de nome “EInk” (tinta electrónica) que não emite luz como os monitores LCD. Tudo pensado. Os utilizadores podem escolher entre os 230 mil títulos disponibilizados pela Amazon.com.

A concorrência dá resposta. Em Março,a Sony estabeleceu uma parceria com a Google para disponibilizar 500 mil livros, que podem ser descarregados gratuitamente, uma vez que estão livres de direito de autor. A loja “online” da Sony ultrapassou a da Amazon.

Monofunção é desvantagem

Segundo José Afonso Furtado, os dispositivos dedicados podem perder espaço para os aparelhos multifuncionais. “Qual a razão para transportar uma parelho para ler livros e outro para agenda diária quando ambas as actividades podem ser possíveis utilizando apenas uma unidade?”. E se as operadores de telemóveis começarem a incluir aplicativos similares de leitura? Segundo a “Business Week”, a norte americana AT&T prepara-se para lançar um “eBook reader” para diversificar o seu negócio.

Os dispositivos de mão para leitura de “eBooks” são um fenómeno recente, surgindo no final de 1998, realça José Afonso Furtado. Entre os pioneiros, estão os Rocket e os SoftBook, produzidos pela Nuvomedia e SoftBookPress, empresas que, em 2000, foram adquiridas pela Gemstar, grupo que apresentou novos modelos, posteriormente descontinuados.

Têm surgido no mercado outros produtos como o go-Reader, o Microsoft IPM-NET Myfriend ou o Cytale Cybook, que entretanto interrompeu as suas actividades.»