Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogtailors - o blogue da edição

Os dois encontros de Ivo Machado

13.02.09
O poeta açoriano marcou presença em duas escolas, nos dois primeiros dias do Correntes D'Escritas.

Ontem, Ivo Machado juntou-se a Conceição Lima para visitar o Colégio de Amorim.
Tendo sempre como base a escrita de poesia, ambos os autores recordaram histórias de infância. Momentos íntimos que os marcaram como pessoas e artistas.
Ivo Machado contou como a avó, quando este era novo, disse-lhe que «quando deixasse de ler é porque a morte estaria próxima». Segundo o autor, há dez anos atrás visitou a avó nos Açores, encontrando-a em frente a um televisor desligado. Ao perguntar o que a avó estava a ler, esta respondeu que já há algum tempo que não tinha vontade de ler. Passado dois meses, a senhora faleceu.
Outro momento tocante deu-se quando o autor revelou que o primeiro poema que ouviu foi de sua mãe, quando este lhe sussurrou ao ouvido «meu filho, eu amo-te!».
O tom extremamente emotivo manteve-se, com Conceição Lima a contar como é que se apercebeu do poder das palavras. Quando a mãe se chateava com o pai, costumava ser sempre por algo que este tinha dito. Para apaziguar a mãe, o pai da autora oriunda de São Tomé e Príncipe compunha músicas. Segundo Conceição Lima, as palavras que faziam as letras daquelas músicas «tinham o poder de trazer a paz».

Hoje, Ivo Machado teve a companhia de Eucanaã Ferraz, na visita à Escola Secundária D. Afonso Sanches, de Vila do Conde, no Diana Bar. A sessão tinha como tema «O limite das palavras».

Ivo Machado contestou a expressão, afirmando que são as pessoas que impõem limites às palavras. Adiantou ainda que «A poesia é que nos vem dizer o quão pouco claras são as coisas que nos aparecem claras».
Já Eucanaã Ferraz começou por frisar que «quanto mais palavras se tem, maior é o nosso mundo», indicando que, por muito que as palavras possam ter limites, estes devem ser «esticados».
Mostrou ainda a sua preferência pelo poesia em relação à prosa, apelando a que a «poesia é mais rígida mas faz tudo caber nela».
Ambos declamaram alguns dos seus poemas, partilhando ainda histórias e vivências.
No primeiro dia, Ivo Machado e Conceição Lima comentaram que, para eles, visitar escolas era «uma emoção».
Se houvesse dúvidas, ficou mais que provado a honestidade dos autores. Certamente, o mesmo será verdade para todos os que participam nestas iniciativas do Correntes D'Escritas.

Para mais informações, consulte o site da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim.
-
Consulte a oferta de formação da Booktailors na barra lateral do blog.