Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Blogtailors - o blogue da edição

«Com menos de 300 mil euros de orçamento, não vale a pena estar aqui»

16.12.08
Assim o diz Inês Pedrosa, cuja entrevista, publicada nas páginas centrais do Público de hoje, pode ser lida aqui. Excertos:

«Com que verbas pode contar este ano?
Quando entrei para a Casa, havia um orçamento de 15 mil euros, que depois o director municipal de cultura, Rui Pereira, aumentou para 35 mil. Converteu cem mil euros das verbas para as obras que não foram feitas em dinheiro para programação, o que nos permitiu fazer o congresso internacional dedicado a Pessoa. A isto há que juntar 70 mil que conseguimos de patrocínios das juntas de freguesia, da Leya e da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento. Com esses apoios fiz o encontro de escritores dos dois lados do Atlântico Letras em Lisboa e filmes de dois minutos para a RTP. A ideia era passarem os filmes uma vez por dia, passaram várias. Deram-nos espaço mas não nos deram um tostão. No ano do 120.º aniversário do nascimento de Pessoa, a RTP tinha obrigação de fazer qualquer coisa. Assim como o Ministério da Cultura: não vi o que é que fez para comemorar ou ampliar o Pessoa este ano.
(...)
Se tiver menos de 300 mil euros vai-se embora?
Vou tentar arranjar o que falta, primeiro junto de empresas. Sei que o orçamento está muito curto, mas há a possibilidade de nos candidatarmos às verbas do casino e do Turismo de Lisboa. Gostaria que a TAP se tornasse nossa patrocinadora oficial. Mas há quem veja isto de forma política: não apoiam porque não gostam de António Costa, ou porque temem que ele seja substituído por Santana Lopes.

Chegou a fazer um ultimato a António Costa por causa do orçamento?
Não fiz ainda nenhum ultimato. Ele disse-me que arranjava os 300 mil euros.
(...)
A revista Tabacaria acabou?
Vamos fazê-la renascer, não necessariamente com esse nome. Tem de ser bilingue, além de fortemente literária. Pessoa já não é só de Portugal - aliás, nunca foi. Temos também um projecto de edição contínua de textos em torno de Fernando Pessoa com o grupo editorial Leya. Estamos a estudar o modelo.

Onde irão buscar o material?
Temos por função estimular os artistas, por um lado, e por outro criar pensamento, chamar os estudiosos a criar textos sobre Pessoa. Esta casa tem de ser aberta a esse cruzamento de trabalho e de inspiração sobre Pessoa. Quero absolutamente conseguir que a câmara seja co-produtora do filme Livro do Desassossego que João Botelho vai fazer. É essa a função da Casa. Não é um sítio onde se pode fazer umas exposiçõezinhas que as galerias não aceitaram. Tem que ter produção própria.
(...)
Quando ficarão os livros digitalizados acessíveis on-line?
Os primeiros dentro de dias. Mas é uma complicação: o serviço informático da câmara tem demorado. Estamos também a restaurar os livros todos da biblioteca. Metade estava em estado miserável. É um elemento da equipa da digitalização, que sabe de restauro, que o está a fazer. »

4 comentários

Comentar post