Booktailors
info@booktailors.com

Travessa das Pedras Negras

N.º 1, 3.º Dto.

1100-404 Lisboa
(+351) 213 461 266

Facebook Booktailors
Twitter Booktailors

FourSquare Booktailors



Facebook Bookoffice


Editoras Nacionais
Livrarias Nacionais
Livrarias on-line
Editoras Brasileiras
Imprensa Brasileira
Blogosfera Brasileira
Eventos no Brasil
Imprensa Internacional

Associações e Institutos de Investigação
Feiras internacionais
Qua, 30/Jun/10
Qua, 30/Jun/10
UMA PROFISSÃO DE RISCO NO SÉCULO XXI (parte IV),

por Francisco Vale (*)

N. E.: Publicado originalmente no livro Autores, Editores e Leitores (Relógio D’Água), editado em Novembro de 2009.


[Parte I]
[Parte II]
[Parte III]


Futuros conjugados

Neste início de século, o destino do livro impresso depende da configuração psíquica das novas gerações, da sua habituação a leitura em ecrãs, um processo em que a plasticidade neurológica surge configurada pelas novas tecnologias de informação, os jogos de computador e consola e as artes de vanguarda ligadas ao vídeo.

Sobre estes aspectos é possível extrapolar observações de McLuhan sobre a influência cognitiva e social de novos media. Sabemos que saímos de uma civilização em que o livro impresso foi um meio de distanciamento e objectividade, que encorajou a iniciativa individual e finalidades pessoais, e que, em termos de alta cultura, conviveu bem com regimes ditatoriais. A sociedade em que já estamos é mais povoada de imagens, oral, sonora, interactiva e em rede, talvez com maiores potencialidades de participação política e resistência a projectos ditatoriais, pelo menos em formas declaradas.

Neste contexto, o livro impresso e a literatura parecem mais do que nunca reunidos num futuro incerto.

É a primeira vez que isso sucede desde o tempo em que a literatura era feita de narrativas sem suporte algum fora do corpo humano, como nos mitos, lendas e alegorias que seriam reunidas no Antigo Testamento e na poesia épica oral, do Gilgamesh à Odisseia.

Depois, e por muitos séculos, a literatura esteve associada ao papiro e ao pergaminho. Desde 1439, com a invenção dos caracteres móveis, a literatura e o livro impresso passaram a estar ligados na forma que hoje conhecemos. Mas o romance e o conto só puderam florescer, no século XVIII em Inglaterra e no século XIX na França e Rússia, com o advento da sociedade burguesa, a vida privada e os espaços de silêncio e lazer. As absortas leitoras dos quadros de Fantin-Latour são a melhor ilustração desse período.

Nas últimas décadas — com as mudanças da vida urbana e a expansão da oralidade, da música e do multimédia — o romance e mesmo o conto revelam-se géneros históricos e, portanto, perecíveis.

E se esses géneros literários vierem um dia a perder vitalidade, não parece haver razões para o livro impresso, ou mesmo electrónico, sobreviver na forma e com a influência que hoje possui.

Esse eventual definhamento não será efeito do suporte digital do livro, nem consequência directa das novas tecnologias e meios de comunicação. No passado, as mudanças na literatura não foram o resultado da passagem da narrativa oral para a escrita ou do livro em pergaminho para o tipográfico. Foi Homero que subverteu a poesia épica, não o facto de ela ter deixado de ser oral. As peças de Shakespeare, que permaneciam muito tempo manuscritas, não devem a sua ruptura com o drama isabelino à impressão em tipografia. As regras da criação literária têm uma larga autonomia das tecnologias que utilizam. Contudo, e ao contrário do que Harold Bloom sugere em O Futuro da Imaginação, são sensíveis aos contextos sociais, como se pode ver nalguns casos limite. É difícil de aceitar como coincidência individual de criadores geniais o que sucedeu com a arte e a filosofia na Grécia de Péricles, e com a literatura na Rússia que vai da libertação dos servos à revolução de 1905 e viu surgir Tolstói, Dostoievski, Tchékhov e Turguénev. O mesmo se poderia dizer do que ocorreu nos anos 30 a 50 nos EUA com Hemingway, Faulkner, Fitzgerald, Flannery O’Connor, Eudora Welty e Carson McCullers. Uma prova pela negativa é dada pela prolongada mediania da ficção francesa contemporânea em contraste com a joyciana fecundidade das letras irlandesas.

Actualmente só uma reduzida percentagem de adolescentes consegue ler sem a companhia de um som musical. A questão já não reside apenas na ausência de espaços de silêncio que permitam uma leitura atenta. Está também na recusa do próprio silêncio, em considerar a solidão da leitura inaceitável, na dificuldade de imaginar a partir da escrita fonética. É mesmo possível que se caminhe para uma certa dissociação entre a leitura e o livro, sobretudo o digital, tomando-se a leitura sequencial mais rara em benefício da fragmentária. O facto de os leitores de e-books serem conectáveis com a Internet e o inesperado êxito do Twitter confirmam esta possibilidade.

Aqueles que, como Steiner, celebram a diversidade permitida por Babel e encaram cada língua como a possibilidade de um mundo emocional diferente sentem a uniformização da literatura e a transformação do anglo-americano em novo esperanto como ameaças à criatividade.

Hoje a vulnerabilidade da literatura vem também da atracção exercida sobre muitos escritores de talento pelas possibilidades que a televisão, o cinema, a Internet e outros media oferecem em termos financeiros e de novos processos narrativos. Não é absurdo pensar que se Eça e Camilo vivessem hoje estariam a escrever argumentos televisivos ou cinematográficos e que os equivalentes de Os Maias e de Amor de Perdição teriam formas diversas.

E, no entanto, a escrita de contos e romances continua a ser a que menos meios tecnológicos exige, uma esferográfica e um papel ou um processador de texto. A escrita surge no prolongamento quase imediato da mão, está próxima da biologia humana, o que faz com que as obras surjam como resultado imediato da imaginação. É por isso que o livro é considerado um manancial de conteúdos para o multimédia e que escritores de talento vão resistindo aos apelos da televisão e da Internet.


[Parte V]

(*) Francisco Vale foi um dos fundadores da Relógio D’Água em 1983, sendo desde então seu responsável editorial. É autor de dois romances, Cláudia Telefonou Depois e Os Amantes Prendem nos Braços Tudo o Que lhes Dói. Traduziu obras de Virginia Woolf, Katherine Mansfield, Djuna Barnes, Marguerite Yourcenar, Marguerite Duras, Le Clézio, Foucault, Ernesto Sabato, Javier Marías e Fernando Savater.

-
Consulte a oferta de formação da Booktailors na barra lateral do blogue.


por Booktailors às 09:00 | comentar | partilhar

Subscreva a nossa newsletter

* indicates required
Publicações Booktailors
Carlos da Veiga Ferreira: Os editores não se abatem, Sara Figueiredo Costa



PVP: 12 €. Oferta de portes (válido para território nacional).

Fernando Guedes: O decano dos editores portugueses, Sara Figueiredo Costa



PVP: 10,80 €. Preço com 10% de desconto e oferta de portes (válido para território nacional).

A Edição de Livros e a Gestão Estratégica, José Afonso Furtado



PVP: 16,99 €. 10% de desconto e oferta de portes.

Livreiros, ler aqui.

PROMOÇÃO BLOGTAILORS



Aproveite a oferta especial de dois livros Booktailors por 20 €.

Compre os livros Fernando Guedes: O decano dos editores portugueses, de Sara Figueiredo Costa e A Edição de Livros e a Gestão Estratégica, de José Afonso Furtado por 20 €. Portes incluídos (válido para território nacional).

Encomendas através do e-mail: encomendas@booktailors.com.

Clique nas imagens para saber mais.
arquivo

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Etiquetas

acordo ortográfico

adaptação

agenda do livro

amazon

apel

associativismo

autores

bd | ilustração

bertrand

bibliotecas

blogosfera

blogtailors

blogtailorsbr

bookoffice

booktailors

booktrailers

byblos

coleção protagonistas da edição

correntes d'escritas 2009

correntes d'escritas 2010

correntes d'escritas 2011

correntes d'escritas 2012

design editorial

dia do livro

direitos de autor

distribuição

divulgação

e-book

e-books

edição

editoras

editores

emprego

ensaio geral na ferin

entrevista

entrevistas booktailors

estado | política cultural

estatísticas e números

eventos

feira do livro de bolonha 2010

feira do livro de frankfurt 2008

feira do livro de frankfurt 2009

feira do livro de frankfurt 2010

feira do livro de frankfurt 2011

feira do livro de frankfurt 2013

feira do livro de lisboa

feira do livro de lisboa 2009

feira do livro de lisboa 2010

feira do livro do porto

feira do livro do porto 2009

feiras do livro

feiras internacionais

festivais

filbo 2013

fnac

formação

formação booktailors

fotografia | imagem

fusões e aquisições

google

homenagem

humor

ilustração | bd

imagens

imprensa

internacional

kindle

lev

leya

língua portuguesa

literatura

livrarias

livro escolar

livro infantil

livros

livros (audiolivro)

livros booktailors

london book fair

marketing do livro

mercado do livro

notícias

o livro e a era digital

óbito

opinião

opinião no blogtailors

os meus livros

poesia

polémicas

porto editora

prémios

prémios de edição ler booktailors

profissionais

promoção à leitura

revista ler

sítio web

sociologia e hábitos da leitura

tecnologia

top livros

twitter

vídeo

todas as tags