Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogtailors - o blogue da edição

As tiras da Mafalda começaram a ser publicadas há 50 anos

29.09.14

 

«A Mafalda não gosta de sopa mas ouve os Beatles, brinca com os amigos aos cowboys e preocupa-se com a guerra no Vietname. Criada pelo argentino Quino, a personagem de banda desenhada é uma menina de 5 anos (acompanhamos as suas aventuras ao entrar para a escola primária), da classe média, pequena mas muito inteligente. A primeira história da Mafaldinha foi publicada a 29 de setembro de 1964 no semanário Primera Plana, faz amanhã [hoje] 50 anos.» Ler no Diário de Notícias.

 

«Mafalda apareceu pela primeira vez a 29 de Setembro de 1964, nas páginas do semanário argentino Primera Plana. 50 anos depois, as palavras e atitudes da menina com um sentido crítico mordaz e um sarcasmo disfarçado de inocência continuam a apaixonar muitos leitores.» Ver na Renascença.

 

«Mafalda, nome inspirado na personagem do romance Dar la Cara, de David Viñas, foi recuperada por um jornalista e amigo de Quino, Miguel Brascó, que a divulga pela primeira vez em "Gregorio", suplemento de humor da revista Leoplán. A 29 de Setembro desse mesmo ano de 1964, o semanário Primera Plan de Buenos Aires, começa a publicar Mafalda regularmente, vínculo que se mantém até Março do ano seguinte, quando a história da menina que adora a música dos The Beatles e os desenhos do Pica-Pau, e que se bate pela paz, os direitos humanos e a democracia, se muda para o jornal El Mundo. Por esta altura, Joaquín Salvador Lavado Tejón, mais conhecido como Quino, leva já mais de uma década a publicar as suas tiras humorísticas, mas os louros vão todos para este clã portenho, que seria alargado no final da década de 60, com a chegada de Gui, o irmão mais novo da protagonista.» Ler no iOnline.

 

«Filha de uma família da classe média argentina, Mafalda questiona a Humanidade e a existência da sopa, de dedo em riste e quase sempre com um ar preocupado. Uma "heroína zangada que recusa o mundo tal como ele é", descreveu Umberto Eco em 1969.» Ler no Jornal de Notícias.