Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogtailors - o blogue da edição

Congresso internacional, uma ópera e um volume de inéditos nos 92 anos de Agustina

14.10.14

 

«Sessenta anos após a publicação de A Sibila, o romance que, segundo Eduardo Lourenço, marcou o fim da hegemonia do neo-realismo na ficção portuguesa, a Gulbenkian inaugura esta terça-feira o congresso internacional Ética e Política na Obra de Agustina Bessa-Luís, cujo segundo dia coincidirá com o 92.º aniversário da romancista.

 

Organizado pelo Círculo Literário Agustina Bessa-Luís, o encontro servirá ainda de palco à estreia mundial da ópera Três Mulheres com Máscara de Ferro, baseada num texto da autora, que será apresentada na sala polivalente do Centro de Arte Moderna da Gulbenkian. Produzida pelo Teatro Aberto, a ópera tem música de Eurico Carrapatoso, direcção musical de João Paulo Santos e encenação de João Lourenço.» Ler no Público.

 

«O presidente do Centro Nacional de Cultura, Guilherme d’Oliveira Martins faz a conferência de abertura do congresso, hoje às 09.30, depois de aberto oficialmente por Eduardo Marçal Grilo, administrador da FCG, e das comunicações de Mónica Baldaque e Isabel Pires de Lima, da direção do Círculo Literário Agustina Bessa-Luís.

 

O congresso, que decorre hoje e quarta-feira na FCG, inclui, entre outras, as participações do ex-ministro das Finanças, Miguel Cadilhe, do ex-Presidente da República, António Ramalho Eanes, e ainda dos escritores como Almeida Faria, Lídia Jorge, Gonçalo M. Tavares, Fernando Pinto do Amaral, Inês Pedrosa e Miguel Real.» Ler no iOnline.

 

«Antecipando o congresso, a Fundação publicou, em agosto último, Elogio do Inacabado, livro que reúne cinco inéditos de Agustina Bessa-Luís, provenientes da segunda metade da década de 1960.» Ler na RTP. Ver na RTP.

 

«Três Mulheres com Máscara de Ferro, ópera de Eurico Carrapatoso sobre inédito de Agustina, estreia-se esta noite na Gulbenkian, seguindo depois para o Teatro Aberto.» Ler no Diário de Notícias.

 

«As três protagonistas da ópera - Fanny Owen, Ema e Sibila -, provenientes de diferentes títulos da obra literária de Agustina, serão interpretadas pelas solistas Ana Ester Neves, Angélica Neto e Patrícia Quinta, respetivamente. A música foi composta para clarinete, violino, violoncelo e piano.» Ler no Diário Digital.

 

«"Resolvi não alterar uma única linha da prosa de Agustina Bessa-Luís. Digamos que foi um desafio que quis correr”, diz o compositor Eurico Carrapatoso, em entrevista à Renascença.» Ler na Renascença. Ver na Renascença.