Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogtailors - o blogue da edição

Festival Internacional de BD de Angoulême tem início hoje

29.01.15

 

«O Festival Internacional de Banda Desenhada de Angoulême tem início hoje, em França, com várias homenagens ao jornal francês Charlie Hebdo.

O festival contará com várias exposições, lançamentos editoriais e obras em competição, mas a direção decidiu dedicar parte da programação à liberdade de expressão e ao jornal satírico Charlie Hebdo, pela morte de dez pessoas, entre as quais cartoonistas e jornalistas da publicação.» Ler no Diário de Notícias, no Diário Digital e na RTP.

 

«É considerado um dos mais importantes festivais de banda desenhada e arranca nesta quinta-feira, ainda na sombra do ataque de Janeiro ao Charlie Hebdo. Na 42ª edição Festival Internacional de Banda Desenhada de Angoulême a liberdade de expressão vai ser celebrada mas as medidas de segurança foram reforçadas.

 

É às doze vítimas do antentado, entre as quais cinco importantes desenhadores de imprensa, que Angoulême dedica esta edição, desde logo com a entrega do primeiro Prémio Charlie da Liberdade de Expressão e com a atribuição simbólica do Grande Prémio Especial à redacção do jornal (paralelamente à entrega do Grande Prémio, como dita a tradição, a um autor de BD). Há ainda uma exposição consagrada ao Charlie Hebdo, onde se poderão ver alguns dos mais controversos cartoons.» Ler no Público.

 

«Várias homenagens ao jornal satírico “Charlie Hebdo” vão marcar o Festival Internacional de Banda Desenhada de Angoulême, que arranca esta quinta-feira, em França.» Ler na Rádio Renascença.

 

«Foi em 1995 que a banda desenhada francesa se viu dividida por uma polémica inédita. A entrega do Grande Prémio, em Angoulême, a Philippe Vuillemin provocou a ira de Morris e o incómodo de outros autores. O desenhador de Lucky Luke chegou mesmo a abandonar o júri do famoso festival que regressa esta quinta-feira sob o signo de Charlie Hebdo, o semanário satírico francês alvo de um atentado em Janeiro que matou doze pessoas.» Ler no Público.