Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogtailors - o blogue da edição

Morreu Vasco Graça Moura

28.04.14
(C) Paulo Sousa Coelho

 

«Poeta e tradutor de grandes poetas, romancista, ensaísta, dramaturgo, cronista, antologiador, historiador honoris causa, advogado, político, gestor cultural – e podiam acrescentar-se várias outras actividades –, [Vasco] Graça Moura foi um improvável espírito renascentista encarnado neste presente um pouco caótico de mais para o seu assumido gosto pela ordem e pela disciplina. Mesmo que nos fiquemos pela sua obra literária em sentido lato, seria talvez preciso recuarmos a um Jorge de Sena para encontrarmos um antecessor convincente da diversidade, qualidade e intensidade do seu trabalho criativo e intelectual.» Ler no Público.

 

«Quando se ordenam assim, ano a ano, os trabalhos e os dias de Vasco Graça Moura, o que mais impressiona é a sua capacidade de trabalho. Veja-se o ano de 1987: tem 45 anos e desempenha diversas e exigentes funções públicas, mas arranja tempo para publicar um livro de poemas, dois volumes de ensaios, o seu romance de estreia e uma peça de teatro.» Ver a cronologia no Público.

 

«Venceu diversos prémios, entre eles em 2008, o Prémio Tradução do Ministério da Cultura italiano pela tradução da Divina Comédia de de Dante. O Prémio Pessoa chegou em 1995. Um ano antes tinha ganho o Prémio da Poesia do PEN Club, entre outras distinções.» Ler na Renascença.

 

«Vasco Graça Moura, escritor e atual presidente do CCB, morreu este domingo, em Lisboa, vítima de doença prolongada.

 

O escritor, que morreu aos 72 anos, não resistiu a um cancro. Vasco Graça Moura nasceu no Porto e era advogado de formação, tendo enveredado depois pelo mundo da cultura, completando meio século de vida literária dedicada ao romance, poesia, ensaio, crónicas, diários e traduções.» Ler no Diário Digital.

 

«Poeta, ensaísta, romancista, dramaturgo, cronista e tradutor de clássicos, Vasco Graça Moura nasceu no Porto, na Foz do Douro, em 1942, licenciou-se em Direito, pela Universidade de Lisboa, e chegou a exercer a advocacia, de 1966 a 1983, até a carreira literária se estabelecer em pleno.

 

Na altura, apenas a poesia definia a sua expressão, com títulos como Modo mudando, estreia nas Letras, em 1962, a que se seguiram títulos como Semana inglesa e O mês de dezembro. Mas Vasco Graça Moura era também o jurista, o gestor e o político.» Ler no Diário de Notícias, na RTP e no Sol. Ver na RTP. Ver galeria fotográfica aqui.

 

«Integrou o 4.º e 6.º governos provisórios depois do 25 de Abril, foi diretor da RTP2 e, entre outros cargos, administrador da Casa da Moeda.» Ler na SIC Notícias.

 

«O corpo do escritor e poeta Vasco Graça Moura, que morreu ao fim da manhã [de ontem, 27], vai estar hoje [27] em câmara ardente, a partir das 19.00, na Basílica da Estrela, em Lisboa, disse fonte da agência funerária.

 

Na segunda-feira, terá lugar uma cerimónia de homenagem ao escritor e poeta na mesma basílica.

 

O funeral está marcado para terça-feira, estando as cerimónias religiosas marcadas para as 10.00, seguindo para o cemitério dos Olivais.» Ler no Diário Digital. Ver na RTP. Ler na RTP.

 

«O funeral realiza-se terça-feira às dez horas da manhã, com uma missa presidida pelo padre [José] Tolentino Mendonça. O corpo seguirá para o cemitério dos Olivais, onde será cremado.» Ler no Diário de Notícias e no Sol.

 

«A notícia provocou uma onda de reações de pesar junto de políticos e intelectuais portugueses, que se reuniram ao fim da tarde na Basílica da Estrela, em Lisboa, para prestar homenagem a uma figura que todos estimam "insubstituível".» Ler no Correio da Manhã.

 

«O Presidente da República e o primeiro-ministro estiveram entre as inúmeras figuras públicas que se deslocaram hoje [ontem, 27] à Basílica da Estrela, em Lisboa, para prestar homenagem ao poeta, ensaísta, romancista e tradutor Vasco Graça Moura, que morreu hoje vítima de cancro.» Ler no Diário de Notícias e no Jornal de Notícias.

 

«Detentor de vários prémios literários, foi um ativo crítico do acordo ortográfico atualmente em vigor em Portugal.» Ler no Diário de Notícias.

 

«Romancista, poeta, ensaísta, tradutor, ex-deputado e ex-secretário de Estado, Vasco Graça Moura foi alvo de várias homenagens este ano, nomeadamente pela Fundação Gulbenkian». Ler no iOnline e no Sol.

 

«O Expresso entrevistou Vasco Graça Moura a propósito dos 50 anos de carreira do escritor, a 26 de maio de 2012. Foram cinquenta perguntas para meio século de carreira literária de um poeta que gostaria de ter sido artista plástico e acabou por exercer a advocacia.» Ler a entrevista no Expresso.

 

«Recebeu o Prémio Pessoa, o Prémio Vergílio Ferreira, os prémios de Poesia do PEN Clube Português e da Associação Portuguesa de Escritores, que também lhe atribuiu o Grande Prémio de Romance e Novela, a Coroa de Ouro do Festival de Poesia de Struga, o Prémio Max Jacob de França para Poesia Estrangeira, o Prémio de Tradução do Ministério da Cultura de Itália e a Medalha de Florença, o Prémio Morgado de Mateus, para o conjunto da obra, o Prémio Europa - Cátedra David Mourão-Ferreira da Universidade de Bari, em Itália, e a Ordem de Santiago de Espada, entre outras distinções.» Ler no Record.