Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogtailors - o blogue da edição

O primeiro dia da Feira do Livro de Frankfurt

08.10.14

 

No primeiro dia da Feira do Livro de Frankfurt, além do anúncio dos 13 vencedores do Prémio da União Europeia para a Literatura, teve lugar, no pavilhão da Finlândia, o país convidado em 2014, uma homenagem a Tove Jansson, pela ocasião do centenário do nascimento da autora.

 

Tove Jansson recebeu em 1966 a Medalha Hans Christian Andersen, a mais alta distinção para a literatura infantojuvenil, pelas três obras em que cria as criaturas encantadas designadas por mumins, livros que são hoje considerados clássicos da literatura infantojuvenil finlandesa (publicados em Portugal pela Editorial Caminho). O pavilhão que marca a presença da Finlândia na feira - revestido de tons claros e de arquitetura minimalista, sob o lema que leva o país a Frankfurt: «Finland. Cool» - irá receber mais de 500 eventos durante todo o certame.

 

Durante o dia de hoje, Brian Murray, CEO da HarperCollins e um dos mais influentes editores do mundo, esteve na programação da CEO Talk, e Richard Chalkin, editor executivo da Bloomsbury Publishing e próximo presidente da International Publishers Association, esteve na International Rights Directors Meeting, levantando polémica ao afirmar que o mercado da venda de direitos a editores de língua inglesa está sobrelotado. 

 

Com a feira chega também uma novidade de escala global: à semelhança do que já aconteceu nos EUA e na Grã-Bretanha, o Kindle Unlimited chegou agora à Alemanha, no âmbito da feira. O serviço de subscrição de livros digitais da Amazon permite, por uma assinatura mensal de 9,99 euros, o acesso a um catálogo de 700 mil títulos (sendo cerca de 50 mil em alemão).

 

Entre uma das muitas novidades anunciadas na edição de 2014 está também o «Frankfurt Undercover». Para o diretor da feira, Juergen Boos, esta iniciativa reflete a necessidade crescente dos autores de uma atuação social ao nível das questões da esfera política, num momento que se apresenta crítico a nível  mundial. «Penso que poderemos esperar uma afirmação política [dos autores] no fim destes três dias», declarou. Ler aqui, aqui, aqui, aqui e no Ler ebooks.

 

«Aquela que é a maior feira editorial de compra e venda de direitos acontece num gigantesco espaço equivalente a 11 campos de futebol, espalhado por oito gigantescos pavilhões, onde os editores do mundo inteiro, individualmente ou em associações de editores (como é o caso português), montam os seus stands.

 

Para se chegar de um sítio ao outro, anda-se quilómetros a pé ou opta-se por entrar em carrinhas que percorrem o espaço exterior dos pavilhões apinhadas de gente que viaja cheia de tralha (com catálogos, folhetos, ofertas, merchandising, computadores, malas).»

 

«Tal como disse o director da feira Juergen Boos, Paulo Coelho não precisa de apresentações: “É um dos autores mais famosos do mundo.” Durante a hora em que esteve no palco do Business Club Member com Juergen Boos, fez o esforço de falar em inglês e a conversa teve momentos caóticos mas foi dizendo aquilo que vem repetindo há anos. Começou por dizer que não é profeta, por isso não sabe o que acontecerá no sector daqui a anos, mas sabe que as pessoas lêem por duas razões: a primeira é para se divertirem e a segunda para adquirirem conhecimentos.» Ler no Público.