Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blogtailors - o blogue da edição

Feira do Livro do Porto recebeu mais de 200 mil visitantes

24.09.14

 

«A Feira do Livro do Porto despediu-se no passado domingo dos jardins do Palácio de Cristal, tendo recebido, de 5 a 21 de setembro, mais de 200 mil pessoas. Este evento foi, pela primeira vez em mais de 80 anos, exclusivamente organizado pela Câmara Municipal do Porto, através do pelouro da Cultura e da empresa municipal PortoLazer.» Ler no Correio da Manhã.

 

«Na passada semana a APEL (Associação Portuguesa de Editores e Livreiros) disse estar disponível para voltar a organizar a feira, mas hoje Rui Moreira garantiu que a câmara não vai voltar a "fazer 'outsorcing' nos termos em que foi feito no passado".

 

"O nosso modelo é este. A APEL e os seus associados são livres de aderirem àquilo que é a Feira do Livro como a organizamos", frisou o autarca para quem esta edição foi um "enorme sucesso para a cidade".» Ler no Jornal de Notícias.

APEL disponível para voltar à Feira do Livro do Porto se a Câmara assim o quiser

15.09.14

 

«Quando a Câmara Municipal de Rui Moreira quiser retomar o diálogo para a organização futura da Feira do Livro do Porto, a APEL (Associação Portuguesa de Editores e Livreiros) estará disponível para falar e, quem sabe, voltar. Foi o que João Alvim, presidente da associação, defendeu nesta segunda-feira, destacando, no entanto, que a Feira do Livro de Lisboa, organizada pela APEL, e a Feira do Livro do Porto, organizada pela Câmara desta cidade, são eventos distintos com objectivos também eles diferentes.» Ler no Público.

 

«A Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL) está disponível para voltar a organizar a Feira do Livro do Porto, desde que se negoceie um acordo plurianual com a autarquia, disse hoje à Lusa João Alvim, presidente daquela entidade.

 

"Não se pode andar a organizar e a deixar de organizar ao sabor das boas e más vontades e de guerras políticas", considerou o presidente da APEL, ressalvando que a duração de um possível acordo seria " uma coisa a discutir" com a autarquia e frisando que "não se pode é andar numa situação de 'umas vezes sim, outras vezes não'".» Ler no Diário Digital e no Correio da Manhã.

 

«João Alvim declarou ainda que a Feira do Livro do Porto, "tal como foi desenvolvida este ano, é uma feira estruturalmente diferente daquela que a APEL faz", explicando que, embora até possa ser "um evento interessante, com muitas atividades", difere do modelo da APEL porque esse "não tem como objetivo o negócio" mas a "divulgação e promoção do livro, dos autores e da leitura".» Ler no Diário de Notícias.

 

«Em mais de oito décadas de realização do evento, este é o primeiro ano em que que a Câmara do Porto assume a total organização da Feira do Livro, antes promovida pela APEL, com quem o município mantinha um diferendo quanto aos custos da iniciativa.» Ler no iOnline.

Venda e edição livreira caiu em Portugal entre 2009 e 2012

15.09.14

 

«O mercado livreiro em Portugal registou uma quebra de edições e faturação entre 2009 e 2012, revela a Associação Portuguesa de Livreiros (APEL).

 

Em 2012, havia em Portugal 562 livrarias, menos 132 que em 2004, o "primeiro ano com dados", segundo a APEL. Em 2012 registaram-se 442 editoras, dados que revelam uma quebra no número destas empresas desde 2008, conclui o estudo "Comércio livreiro em Portugal - Estado da Arte na segunda decada do século XXI".

 

O estudo hoje revelado aponta ainda quebras nos volumes de negócios no mercado livreiro. No caso das editoras, a faturação registou depois de 2008, ano em que se atingiu um pico com 404 milhões de euros, uma queda contínua até 2012, em que situou nos 356 milhões de euros.» Ler no Diário Digital e na Visão.

 

«A edição de e-books, que segundo o estudo registou "um forte crescimento" a partir de 2010, não chegou para compensar as quebras nas edições em papel. A venda de livros, jornais e artigos de papelaria nas grandes superfícies registou em 2009 um pico, com 229 milhões de euros de faturação, verificando-se a partir desse ano uma quebra, com a faturação, em 2012, a situar-se nos 203 milhões de euros.» Ler no Observador.

 

«Para João Alvim estes resultados "refletem uma alteração do retalho livreiro em Portugal e as dificuldades que o retalho independente vive". O presidente da APEL defende ainda que "a ação de livreiros especializados tem sido seriamente afetada pela pirataria. "Já devia ter havido uma intervenção governamental neste sentido. É preciso penalizar a sério porque a pirataria afeta seriamente a atividade de editores e livrarias", refere João Alvim.» Ler no Correio da Manhã.

 

«Estas são as principais conclusões de um estudo encomendado pela Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL) ao ISCTE-IUL, depois de no ano passado várias livrarias independentes terem acusado redes livreiras como a FNAC e a Bertrand de violarem a lei do preço fixo do livro. As conclusões não são propriamente uma novidade mas para o presidente da APEL vêm dar força à necessidade de uma mudança no mercado livreiro, que precisa de ser dinamizado.» Ler no Público.

 

«Estes dados afastam Portugal da média dos 27 países europeus em número de livrarias, afirma APEL. Entre 2008 e 2011, Portugal registou menos 9,1 por cento de empresas livreiras, enquanto na União Europeia o crescimento neste setor se situou nos 15 por cento.» Ler na RTP.

Câmara do Porto junta à feira do livro um festival literário

15.07.14

 

«[...] a câmara [do Porto] decidiu organizar menos uma feira do que "um festival literário".

 

"Queremos marcar a diferença", diz Nuno Santos. "Queremos fazer o maior festival literário do País, que não se esgote na compra e venda de livros, mas que mobilize escritores e leitores em torno da paixão pelos livros."

 

Com um orçamento de 75 mil euros (o mesmo dinheiro que a APEL pedia para a organização da feira no Porto), Nuno Santos garante que a autarquia vai conseguir fazer mais, juntando concertos, dança e teatro, ciclos de cinema e exposições ao programa.»

 

«A Feira vai decorrer nos Jardins do Palácio de Cristal, de 5 a 21 de setembro, mas até dia 30 deste mês a câmara está a receber inscrições de editores e livreiros interessados em fazer-se representar no evento». Ler no Correio da Manhã.

Livraria Cabeçudos é a Livraria Preferida dos portugueses em 2014

12.06.14

 

«A Livraria Cabeçudos, em Lisboa, foi escolhida como "Livraria Preferida", numa eleição promovida pela Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL), que divulgou hoje [ontem], na Feira do Livro de Lisboa, os resultados da votação, feita através da Internet.

 

Este foi o segundo ano que a APEL decidiu promover a escolha da livraria preferida dos consumidores, alargando-a ao território nacional. No ano passado, em que venceu a Livraria Bertrand do Chiado, em Lisboa, o concurso foi restrito à área geográfica da capital portuguesa.

 

A livraria Cabeçudos foi fundada em 2010, em Lisboa, virada em exclusivo para a literatura portuguesa e estrangeira para a infância e juventude. Fundada por Rui Andrade, a livraria tem como lema "O lugar onde os miúdos de hoje trarão os miúdos de amanhã" centrando-se na importância da leitura para a formação dos cidadãos desde a primeira idade.» Ler no Diário Digital.

 

«O top das cinco livrarias preferidas é completado com a LeYa na Buchholz, também em Lisboa, que ficou em 2.º lugar, a Aqui há Gato, em Santarém, em 3.º, a Bertrand do Chiado, no 4.º, e a Pó dos Livros, na avenida Marquês de Tomar, em Lisboa, que ficou em 5.º lugar.

 

Nas outras categorias a concurso, a Livraria Lello, no Porto, ganhou o Prémio para o Melhor Ambiente, a Livraria A das Artes, em Sines, o de Melhor Atendimento, a FNAC do Chiado, o Prémio para o Melhor Catálogo, e a Leya na Barata, na avenida de Roma, em Lisboa, o Prémio Conveniência.» Ler na RTP.

APEL abre votação da Livraria Preferida a todas as livrarias do país

21.05.14
A votação da Livraria Preferida, promovida anualmente pela Associação Portuguesa de Editores e Livreiros, abre-se em 2014 às livrarias de todo o país. Até 2013 a votação restringiu-se às livrarias lisboetas, com a Bertrand do Chiado a liderar as votações, seguida da Pó dos Livros e da Ler Devagar. A livraria preferida dos portugueses em 2014 será anunciada na Feira do Livro de Lisboa. Saiba mais no Sentido dos Livros.

Em abril, Lisboa comemora o livro com o Ler em Todo o Lado

16.04.14

 

Pelo quarto ano consecutivo, a Rede de Bibliotecas de Lisboa e a Associação Portuguesa de Editores e Livreiros coorganizam uma programação dedicada ao livro, sob o título Ler em Todo o Lado.

 

O programa inclui atividades para famílias, escolas, público infantil, público adulto, lançamentos, encontros com autores, feiras do livro, música e conversas. Via O Bicho dos Livros.

Feira do Livro do Porto suspensa

25.02.14

 

«Afinal, o Porto não vai ter Feira do Livro este ano. Depois de o vereador da Cultura da Câmara do Porto, Paulo Cunha e Silva, ter afirmado que o evento estava garantido e que iria realizar-se na Rotunda da Boavista, as declarações do presidente da APEL – Associação Portuguesa de Editores e Livreiros, João Alvim, pondo em dúvida a realização da feira caso o município não assumisse um compromisso financeiro plurianual, deitaram por terra as negociações. Em comunicado, a Câmara do Porto diz que, neste momento, "não vê satisfeitas as condições de confiança necessárias para a assinatura de qualquer protocolo com a APEL".» Ler no Público.

 

«A Câmara Municipal do Porto acusou hoje a Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL) de recuar nas negociações para a realização da Feira do Livro da cidade, declarando não haver condições para estas prosseguirem.» Ler no Diário Digital e na RTP.

 

«"As declarações do presidente da APEL hoje tornadas públicas sobre o assunto são, por isso, no mínimo, surpreendentes, impedindo a Câmara do Porto de prosseguir com o processo, porquanto representam uma grave quebra de confiança, senão entre as partes, pelo menos entre os representantes mandatados pela APEL para as negociações e o presidente da mesma associação", declara a autarquia, referindo-se a declarações de João Alvim, da APEL, ao Correio da Manhã, dizendo que o acordo não se tinha concretizado.» Ler na Renascença.

 

«Instado pelo Correio da Manhã, João Alvim, afirmou ser "certo que a autarquia disse estar com limitações financeiras, mas manifestou-se disponível para assinar um protocolo que, naturalmente, terá compromissos financeiros", ressalvando que sem que tal aconteça "é claro que a APEL não vai organizar a Feira do Livro no Porto".» Ler no Correio da Manhã e aqui.

 

«O acordo alcançado no dia 07 "definia o local, o calendário e as contrapartidas logísticas oferecidas pela Câmara Municipal do Porto, tendo ficado clara a inexistência de contrapartidas financeiras por parte do Município na edição deste ano", acrescentou a Câmara, que se fez representar nas negociações pelo vereador da Cultura, Paulo Cunha e Silva.» Ler na RTP.

Cruz Vermelha recebe 900 livros angariados durante a Feira do Livro de Lisboa

26.07.13

 

Numa iniciativa conjunta da APEL, com a marca de cafés Tofa, da Nestlé Portugal, foram reunidos cerca de 900 livros que foram entregues esta semana a instituições da Cruz Vermelha de Lisboa.

 

A iniciativa, que decorreu durante a última edição da Feira do Livro de Lisboa, desafiava os visitantes da feira a contribuir com livros usados ou novos que eram depositados numa chávena de café gigante presente no recinto, junto da zona infantil.

Edição de 2013 da Feira do Livro do Porto suspensa

19.04.13

 

«Associação Portuguesa de Editores e Livreiros explicou à Câmara do Porto não ter verba suficiente para realizar a feira.» Ler no Público.

 

«A Associação Portuguesa de Editores e Livreiros suspendeu a edição 2013 da Feira do Livro, alegando falta de meios financeiros. A câmara do Porto anunciou um evento alternativo, para julho.» Ler no Jornal de Notícias.

 

«A Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL) suspendeu a edição de 2013 da Feira do Livro no Porto por "falta de condições financeiras", informa hoje [ontem] a câmara, que "lamenta" tal decisão e garante organizar uma alternativa.» Ler no iOnline, no Diário Digital, no Diário de Notícias, no Correio da Manhã e no Sol.

 

«APEL e câmara não chegaram a acordo. Autarquia recusou este ano o apoio de 75 mil euros.» Ler no Correio da Manhã.

 

«O grupo Porto Editora lamentou hoje [ontem] a suspensão este ano da Feira do Livro no Porto, considerando-a uma "péssima notícia" que a cidade e a região "não mereciam receber".» Ler no Diário Digital, no Jornal de Notícias e no Sol.

 

«A Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL) criticou hoje [ontem] o entendimento "errado" da Câmara do Porto sobre a Feira do Livro na cidade, suspensa este ano por falta de financiamento, mas espera que o certame volte em 2014.» Ler no Diário Digital, no Diário de Notícias e no Sol.

 

«O presidente da Associação Portuguesa de Escritores (APE), José Manuel Mendes, lamentou hoje [ontem] a notícia da suspensão da Feira do Livro do Porto e disse que a ausência do evento "não faz o menor sentido".» Ler no Diário Digital e no Jornal de Notícias.