Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blogtailors - o blogue da edição

Prémio Literário Conto Infantil Ilustrado Correntes D’ Escritas | Porto Editora

14.09.10

Contos Infantis Ilustrados será apresentado no próximo dia 16 de Setembro, no Salão Nobre da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim. Esta obra reúne os trabalhos premiados na edição deste ano do Prémio Conto Infantil Ilustrado Correntes d’ Escritas | Porto Editora. Na mesma sessão será também anunciado o arranque da III edição do Prémio, referente ao Correntes D'Escritas 2011. Ler aqui.

As Correntes na blogosfera, por Isabel Coutinho

09.03.10
«Se o Paulo Ferreira e o Nuno Seabra Lopes não tivessem uma base de apoio em Lisboa, o blogue da edição Blogtailors não estaria, durante os dias que dura este festival literário, em constante actualização (ai, que a inveja cai sobre nós).» Isabel Coutinho explica de que forma os bloggers «tomaram conta» das Correntes D'Escritas aqui.

O fim da festa, por Sara Figueiredo Costa

02.03.10
«O corpo pede descanso, depois das poucas horas de sono das últimas noites. Mas o que o corpo pede, a companhia, a conversa e o ambiente silenciam. Durante toda a noite, o bar do hotel Axis-Vermar permaneceu animado. E já de madrugada, uns poucos resistentes ganharam o privilégio de uma madrugada límpida (depois do mau tempo dos dias anteriores) e de um nascer do dia em pleno areal, com o Atlântico ali à frente. Não me lembro de um fim de festa mais perfeito, antes dos abraços de despedida à Manuela Ribeiro, ao Francisco Guedes e aos participantes que ainda ficavam (e já estavam acordados), e do autocarro que nos levou ao Porto.» Ler aqui.
-
Consulte a oferta de formação da Booktailors na barra lateral do blogue.

Cerimónia de encerramento das Correntes D'Escritas

01.03.10
A cerimónia de encerramento da edição deste ano arrancou com uma homenagem a Rosa Lobato Faria. Luís Diamantino falou da poetisa, relembrando a sua presença na edição de 2008. «Tenho um qualificativo para ela. Rosa Lobato de Faria era uma grande senhora», disse o vereador. Em nome da Porto Editora, falou o editor de Rosa Lobato Faria, Manuel Valente: «Se pensaste que escapavas a esta edição do Correntes D’Escritas enganaste-te redondamente. A gente da Cultura tem memória. E como tem memória não se podia esquecer de ti.» A homenagem foi complementada com imagens e recortes áudio da autora, para além da leitura de poemas da sua autoria.

Após a homenagem, ocorreu, então, a tradicional entrega dos prémios. Paulo Gonçalves, da Porto Editora, entregou o Prémio Conto Infantil Ilustrado Correntes D’Escritas/Porto Editora, explicando que este tem como objectivo «incentivar os alunos a partilharem o gosto por contar histórias». O Prémio Literário Correntes D’Escritas/Papelaria Locus, no valor de 1000 euros, foi entregue por Alfredo Costa, em representação da Papelaria Locus, a Miguel Rocha de Pinho, que confessou alguma surpresa pelo impacto que o seu conto teve. Maria Velho da Costa não pôde estar presente para receber o Prémio Literário Casino da Póvoa, devido ao mau tempo que se fez sentir naqueles dias. Luís Diamantino entregou o prémio a António Costa, da Assírio & Alvim, em representação da autora da obra vencedora, Myra.

Ler mais aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.

A noite da passadeira vermelha

01.03.10
A passadeira vermelha foi uma novidade na XI Edição das Correntes D'Escritas, na noite da passada sexta-feira. Com ela vieram os Prémios de Edição LER/Booktailors, entregues com humor e descontracção. A apresentação esteve a cargo de Luísa Ferreira, com a colaboração dos profissionais do mundo editorial, para além de jornalistas e críticos, entre outros. O vereador do pelouro da Cultura entregou o Prémio Especial Editora do Ano, orgulhando-se de ter aceitado o desafio da entrega dos prémios. Luís Diamantino fez ainda a ressalva, durante a entrega, de que «para as Correntes D’Escritas todos os editores merecem este Prémio». Francisco José Viegas falou também, congratulando-se pelo facto de, este ano, a entrega ser feita nas Correntes, «num universo de autores, editores, livreiros, leitores», destacando ainda o trabalho da Booktailors na realização deste projecto. Ler mais aqui, aqui e aqui.

Entrevista ao vereador Luís Diamantino

01.03.10
«Se Manuela Ribeiro e Francisco Casanova são os braços das Correntes D'Escritas, Luís Diamantino é o rosto do principal evento literário do país, que terminou no passado sábado na Póvoa de Varzim (esta segunda-feira é possível ver a última mesa do certame, no Instituto Cervantes, em Lisboa, pelas 18h30). O vereador do pelouro da Cultura confirmou que a edição deste ano superou mais uma vez as expectativas, com o Auditório Municipal a ser novamente muito pequeno para acolher tanto público. Por isso, como revelou Diamantino, as Correntes D'Escritas vão mudar de local em 2012, concretamente para o Cine-Teatro Garrett. Mas há mais novidades para as próximas edições, como um novo prémio literário. (...)

Qual o balanço que faz das Correntes D'Escritas?
O balanço não é feito por nós, organização, mas pelas pessoas que aqui vieram, ou seja, o público, o leitor, além obviamente dos escritores. E felizmente que o retorno que temos recebido é novamente positivo. O Auditório Municipal encheu em todas as mesas, nove no total. Por acaso, hoje um espectador veio ter comigo e disse: "Parabéns, isto está cada vez melhor!" E é uma pessoa que vem desde o início, há 11 anos. Este ano tivemos connosco seis brasileiros que marcaram o hotel sozinhos, que pagaram as suas viagens e assistiram as Correntes D'Escritas, regressando ao seu país no sábado, último dia do evento. Pessoas oriundas do Rio de Janeiro que souberam das Correntes e apareceram por cá. Tivemos aqui também agentes literários da América Latina, da Alemanha, de França. Isto começa portanto a ter alguma importância para a própria indústria do livro.

Já que mencionou o Brasil, um dos problemas que hoje em dia tem um dos principais encontros literários do país, a FLIP, em Paraty, é ter crescido em demasia. A verdade é que isso começa a ser palpável nas Correntes D'Escritas, já que algum público é obrigado a sentar nas escadas ou assistir as mesas em pé porque não há cadeiras disponíveis para se sentar. Como a organização analisa esse crescimento? O Auditório Municipal parece que, de ano para ano, diminui de tamanho…
É verdade, tem razão. Mas nós só temos mais um ano em que estaremos aqui neste auditório e nestas instalações contíguas, onde decorre a Feira do Livro, apresentações de livros e dispomos de um pequeno bar. Em 2012, nas XIII Correntes D'Escritas, o número da sorte, o 13, que eu gosto muito, estaremos no Cine-Teatro Garrett, no centro da cidade, localizado numa zona pedonal. É um cinema-teatro que está a ser recuperado pela câmara municipal e terá 500 lugares sentados, quase o dobro deste aqui, que aliás fica numa zona um pouco periférica do centro da cidade. Teremos também espaço para exposições, por exemplo. Portanto, será um teatro e um auditório que receberá as Correntes com toda a dignidade, com tudo aquilo que as Correntes precisam. Depois, é um espaço localizado mesmo no centro da cidade, o que vai trazer animação também para a própria cidade em si, onde as pessoas poderão passear a pé pelas ruas comerciais, etc., etc. Portanto, esse problema de espaço estará resolvido dentro de dois anos.» Ler no Diário Digital.