Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blogtailors - o blogue da edição

Um ano depois, como a Feira do Livro de Frankfurt influenciou o mercado editorial brasileiro

08.10.14

 

O Brasil foi o país homenageado pela Feira do Livro de Frankfurt em 2013, com o discurso do escritor Luiz Ruffato a marcar a abertura do evento. Desde aí, o mercado editorial do país mantém um crescimento na venda de direitos de autores brasileiros no mercado internacional, passando não só a ser um comprador de direitos, como era maioritariamente reputado, para passar a ganhar força como vendedor.

 

A Brazilian Publishers (projeto de parceria entre a Câmara Brasileira do Livro e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos), criada em 2008, é outro dos motivos do sucesso crescente do mercado editorial brasileiro fora de fronteiras. Segundo a associação, considerando apenas as vendas das editoras associadas à Brazilian Publishers durante a Feira do Livro de Frankfurt em 2013, as exportações de direitos autorais e conteúdos impressos cresceram 82 %, num volume que chegou em 2013 aos 750 mil dólares (aproximadamente 595 mil euros).

 

«Frankfurt foi uma grande vitrine que deu um boost em diversos outros projetos do Brazilian Publishers», diz Mansur Bassit, diretor executivo da Câmara Brasileira do Livro, à PublishNews. Ler aqui.

O vídeo oficial do discurso de Luiz Ruffato na Feira do Livro de Frankfurt em 2013

05.04.14

Blogtailors.br: Feira do Livro de Frankfurt serviu para modificar imagem de Brasil

14.10.13

 

 

Apesar de as polémicas que rodearam a participação do Brasil enquanto convidado de honra da Feira do Livro de Frankfurt deste ano, o balanço da presença no certame é positivo. Jürgen Boos, presidente da Feira do Livro de Frankfurt, elogiou a organização e destacou a imagem que o país transmitiu para o mundo. Para ler aqui

Feira do Livro de Frankfurt: Autores brasileiros contra lei das biografias autorizadas

14.10.13

 

«[...] [N]a história da edição brasileira não foi só Ruy Castro que teve problemas destes. Vários escritores foram já obrigados a alterar conteúdos dos seus livros por decisão dos tribunais ou têm as obras proibidas. Laurentino Gomes, autor de 1822, lembrou numa outra sessão em Frankfurt, que isso aconteceu a Mary Del Priore, com A História de Dilermando de Assis, o assassino do escritor Euclides da Cunha; a Paulo César de Araújo e à biografia que fez do cantor Roberto Carlos - os exemplares foram proibidos e recolhidos das livrarias por decisão judicial - e a uma biografia do escritor João Guimarães Rosa, de autoria de Alaor Barbosa, que só foi publicada depois de uma batalha de cinco anos nos tribunais.» Ler no Público.


«Vários músicos brasileiros, entre os quais Roberto Carlos e Caetano Veloso, pretendem impedir a publicação de biografias não autorizadas, o que levantou polémica no Brasil com os respetivos autores.» Ler no Diário de Notícias.

Feira do Livro de Frankfurt: Os preços são a nova pirataria

11.10.13

 

O que têm os preços dos livros digitais em comum com a pirataria? Os dois são temas quentes para os participantes na Feira do Livro de Frankfurt. Contudo, este ano os preços dos livros digitais parece ser a principal preocupação dos editores presentes, substituindo a pirataria, central em anos anteriores. Nas conversas com os vários diretores executivos, nas sessões de debate sobre autoedição com autores, a temática dos preços, nomeadamente dos livros em formato digital, tem sido amplamente discutida em Frankfurt. Para ler aqui e aqui.